SEMANA SANTA ENTENDA O TRÍDUO PASCAL

Na Quinta–feira Santa, a Igreja entrou no Tríduo Pascal. Esta celebração é o coração da Igreja, é o centro da nossa fé. Nela foi contemplado a culminância da Revelação de Deus na Cruz de Cristo. A Missa da Solene da Instituição da Eucaristia e Lava-pés aconteceu às 20h. Após a Missa Solene, o fiéis puderam ter um momento de muita unção com  Adoração ao Santíssimo Sacramento até às 24h. Logo depois, aconteceu a Vigília da Paixão até às 6h, no Salão Paroquial.

O Tríduo é uma única celebração que se inicia com o Lava-pés, na Quinta-Santa, quando somos despedidos sem benção, mas em silêncio diante da iminente prisão do Senhor. Continuamos na Sexta-Santa, dia de jejum e abstinência, dia em que o Senhor sofre a condenação e sofre o suplício da cruz. No Sábado-Santo a Igreja silencia com o silencio do sepulcro. O corpo do Senhor está lá, a angústia e a desolação ocupa o coração dos discípulos, participamos desta mesma angústia. Na noite de Sábado acontece a Mãe de todas as vigílias, a Vigília Pascal. Nela proclamamos a solene aleluia: o Senhor ressurgiu. Ele vive!

NAS PEGADAS DA HISTÓRIA

Na antiguidade da Igreja, em seus primeiros séculos, era no Tríduo Pascal que as pessoas ingressavam da Igreja. Na Vigília Maior os catecúmenos recebiam o batismo e participavam da eucaristia. Por volta do VI século os penitentes viviam o Tríduo se penitenciando para chegarem bem à Páscoa. Os penitentes não podiam entrar na igreja, ficavam à porta. Os catecúmenos ficavam na missa até o creio, logo depois tinham que sair, mas no dia da Vigília Pascal eram introduzidos plenamente na comunidade, Corpo de Cristo.

A Vigília de Páscoa é filha do Seder judaico, celebrado dentro do Pessah, ou seja, ceia judaica. Na tradição judaica os judeus fazem memória da passagem pelo mar vermelho. Há leituras, salmos e hinos que relatam a passagem, ritos que acompanham a dor e a alegria da libertação, normalmente o seder dura toda uma noite. A Páscoa cristã vive quase a mesma estrutura, mas com outra motivação. Lêem-se os textos do Antigo Testamento, rezam-se e se cantam salmos e hinos, para lembrar que toda a História da Salvação faz referência a Nova Aliança realizada em Cristo. Com o texto da Carta e do Evangelho temos a novidade, a motivação da Vigília cristã: o Senhor ressurgiu!

Outrora a libertação do Egito fundou a Páscoa judaica, agora a libertação das amarras da morte funda a Páscoa cristã. Os textos do Antigo e do Novo Testamento dão testemunho que não são duas histórias, mas a continuidade, a primeira chegando ao seu cume. O propósito de Deus não é nos libertar apenas dos males físicos, mas também das amarras da morte, que Adão nos legou, esta libertação se encontra naquele que os profetas anunciaram: em Cristo Jesus!

FICA O CONVITE

Que cada um possa participar do Tríduo Pascal sem interrupção, pois é uma só celebração que se inicia na quinta e termina do sábado à noite. Às vezes muitas pessoas vivem a Sexta–Santa, mas esquecem que a celebração começou na quinta e terminará no sábado, portanto é necessário se empenhar para participar da celebração completa. Viva intensamente esse momento único de experiência e crescimento na fé. Afinal essa é a celebração mais importante da Igreja.

Uma boa Semana Santa!

Horário das Missas
  • SEG
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • TER
    • 7:00
  • QUA
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • QUI
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SEX
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SAB
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
  • DOM
    • 7:00
    • 8:30 *
    • 10:00 ***
    • 11:30
    • 16:00
    • 17:30
    • 19:00 **

* Missas de Catequese

** Missa de Jovem

*** Missa da Família

Veja a programação completa