“Nunca esqueçamos que o ambiente é um bem coletivo, patrimônio de toda a humanidade e responsabilidade de todos”, escreveu o Pontífice nesta segunda-feira (5) numa mensagem traduzida para nove línguas.

 

O tema tem sido uma das preocupações do líder da Igreja Católica, que já defendeu várias vezes um novo “equilíbrio ecológico global” e advertiu para o perigo de um “colapso ecológico”, citando a Encíclica “Laudato si”.

Publicado em 18 de junho de 2015, o texto propõe uma mudança na relação da humanidade com o meio ambiente, alertando para as consequências do aquecimento global e das alterações climáticas.

“As mudanças climáticas são um problema global com graves implicações ambientais, sociais, econômicas, distributivas e políticas, constituindo atualmente um dos principais desafiospara a humanidade”, escreveu Francisco no documento.

Na Encíclica com 246 páginas, divididas em seis capítulos, o Papa também defende a necessidade de uma redução de gases com efeito estufa, o que “requer honestidade, coragem e responsabilidade, sobretudo dos países mais poderosos e poluentes”.

Recentemente, o Vaticano criticou a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de sair do Acordo de Paris e afirmou que a atitude é “um desastre para a humanidade e para o planeta”.