NA SOLENIDADE DO CORAÇÃO DE JESUS, PE. FLÁVIO E FIÉIS RECEBEM FITA DO APOSTOLADO

A Solenidade da Festa do Sagrado Coração de Jesus, celebrada sempre na sexta-feira da semana seguinte do Corpus Christi, neste ano de 2019 ocorrida no dia 28 de junho, aconteceu na Igreja São José. Quatro missas oficiadas. À das 8h foi realizada sob a presidência do Pe. Flávio, e concelebrada pelo Pe. Márcio, da Igreja de Lourdes. A celebração da missa cumpriu sua liturgia normal, seguindo o rito próprio do dia comemorado.

Após a leitura de avisos e comunicações de praxe, ocorreu a procissão habitual, integrada por Agentes da Pastoral da Eucaristia, Acólitos portando grande bandeira símbolo do APOSTOLADO DA ORAÇÃO, integrada ainda pelos padres concelebrantes. Agentes do Apostolado da Oração se postaram nos bancos à esquerda, à frente dos demais presentes.  De salientar-se que o Apostolado da Oração é um movimento religioso integrado por leigos católicos que trabalham na evangelização das famílias com devoção especial ao Sagrado Coração de Jesus.

Pe. Flávio apresentou Pe. Márcio aos presentes, iniciando em seguida a celebração da Santa Missa. Em sequência  à benção e orações  iniciais, conclamou a todos a, em silêncio, pedir o perdão pelos pecados, após passou-se à Liturgia da Palavra, com leitura, por membros da Pastoral da Liturgia, de Ez 34, 11-16; o cântico  dos Salmos 22(23) 1-3a..36-4.5.6 (R/.1); Rm 5,5b-11 e LC-15,3-7.

Na sua homilia, Pe. Flávio  destacou a tônica da figura de BOM PASTOR que a Igreja ressalta  em Jesus Cristo, que veio ao mundo como o Bom Pastor para apascentar as ovelhas, oferecendo a própria vida para remissão dos pecados. Por Sua misericórdia, acolhe no seu Sagrado Coração o pleito de perdão de cada indivíduo. Cada um de nós tem sua experiência com Deus. O Bom Pastor deu a vida, Sua misericórdia: acolhendo e oferecendo uma vida nova.

Quanto aos nossos corações se assemelham ao Coração de Jesus, num tempo de tanta intolerância e indiferença? Indaga o celebrante, advertindo em seguida: O que não existe no coração de Jesus não deve existir nos nossos corações. “Amai uns aos outros como eu vos amei’, concluiu, repetindo Cristo.

Em todos os textos acima destaca-se a figura de Jesus Cristo como o BOM PASTOR que veio cuidar de suas ovelhas, com ênfase principalmente àquelas desgarradas do bom caminho e por quem deixa tudo para trazê-las de volta ao convívio do rebanho.  

Terminada a homilia, soa ruidosa salva de palmas, interrompida pela continuidade da celebração da Missa. Fez-se a Oração da Comunidade e iniciou-se a Liturgia da Eucaristia, com Cântico das Oferendas, Oração sobre as Oferendas e Oração da Eucarística. O celebrante, com o poder recebido quando de sua ordenação sacerdotal, opera o milagre da transformação do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Jesus Cristo, cumprindo seu mandamento quando disse: “Fazei isso em memória de mim”.

Ocorreu, em seguimento,  a procissão da Entrega das Fitas do Apostolado da Oração.  O celebrante, em oração, benzeu as medalhas. Acolheu novo membro do Apostolado e, ao chamamento do respectivo nome, cada membro recebeu a nova fita.

Abrindo o Rito da Comunhão, todos rezam em voz alta o PAI NOSSO, avançando-se na Oração pela Paz, na Fração do Pão e na distribuição da Comunhão, pelo celebrante e por Ministros da Eucaristia.

Deu-se continuidade à celebração, e ao final apregoaram-se os avisos: dentre eles o  retiro do Apostolado dia 20 de julho. Em seguida, o celebrante deu a bênção final, convidando todos os presentes a rezarem com ele a Oração de Santo Afonso – Fundador da Congregação Redentorista – para a Festa do Sagrado Coração de Jesus.

Em Ritos Finais, orou e deu a bênção final, convidando todos os presentes para  assistirem a cerimônia de Coroação de Cristo.

Em  procissão, fiéis aleatoriamente convidados, dirigiram-se ao altar, ao lado do qual havia sido colocada a Imagem do Sagrado Coração de Jesus sobre um tablado, a que  se ascendia por uma pequena escada.  Portaram-se o Manto (que representa o poder de cura: “Se tocar, ainda que seja na orla do seu manto, estarei curada” (Marcos 5,28); a Coroa (símbolo do poder, da vitória); o Cetro (símbolo do poder real, soberano); duas palmas de Santa Rita vermelhas (significando vitória, encontro, fidelidade, lealdade à amizade); e finalmente, o Coração (símbolo máximo do Amor de Deus à humanidade).

Todos esses símbolos foram investidos na imagem do Sagrado Coração, sobre a qual se lançaram pétalas de rosas vermelhas, num tributo ardoroso ao Sagrado Coração de Jesus.

Evaldo José de Oliveira

Horário das Missas
  • SEG
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • TER
    • 7:00
  • QUA
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • QUI
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SEX
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SAB
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
  • DOM
    • 7:00
    • 8:30 *
    • 10:00 ***
    • 11:30
    • 16:00
    • 17:30
    • 19:00 **

* Missas de Catequese

** Missa de Jovem

*** Missa da Família

Veja a programação completa