MISSA SERTANEJA NA SÃO JOSÉ

Com Missa Sertaneja, Igreja São José resgata tradição julina!

 

O 14ª. Arraiá da São José recomeçou nesse sábado, dia 7 de julho, com a Missa Sertaneja, às 18h, na igreja. O comentarista, Wanderson, leu as intenções especiais da celebração. O pároco, Pe. Nelson foi o presidente da solenidade, que contou com a participação especial dos músicos Johny Marcos e Maurinho.

Em seguida, iniciou-se a procissão de entrada dos Acólitos carregando a cruz e as lanternas; dos integrantes da Juventude Missionária Redentorista (JUMIRE) em trajes típicos caipiras; dos Ministros da Eucaristia e Liturgia e do presidente da celebração, cujos paramentos eram na cor verde. Ao som de uma paródia da música “Pagode em Brasília”, com letra religiosa, a assembleia animou com aplausos a chegada do cortejo até o presbitério. Havia um ambiente festivo na igreja São José, que exaltou a presença de Deus no meio rural e na vida sertaneja.

Após a saudação fraterna a centenas de fiéis presentes à Igreja, o padre começou a celebração com o canto do “Deus Trino”, entoado com alegria por todos. Fez-se a oração do dia e o ato penitencial, cuja paródia da música “Luar do sertão”, foi ritmada com entusiasmo pela comunidade. Prosseguiu-se a missa com louvores a Deus através do “Menino da Porteira”, letra adaptada para o Glória. Logo após, a celebração continuou com a Primeira Leitura (Ezequiel 2, 2-5), o Salmo 122 cantado e a Segunda Leitura (2 Coríntios 12, 7-10) realizados pelos integrantes da JUMIRE.

No momento da aclamação da Palavra, os músicos tocaram a adaptação de “Chalana”. Iluminado por duas lanternas, o padre proclamou o Evangelho (Marcos 6. 1-6), em que Jesus salientou a falta de fé dos habitantes em sua terra natal. Na sua homilia, Pe. Nelson, comentou sobre a festa junina, como uma maneira de resgatar as nossas tradições populares, principalmente, do povo mineiro e nordestino. Ele mencionou a importância de exaltar o trabalho do homem do campo; celebrar seus valores morais e cristãos, tão esquecidos por nós, habitantes das metrópoles. Ele acrescentou ainda, a necessidade de valorizar a comunhão, a fraternidade, o encontro, oportunidades ricamente vivenciadas pelo homem do interior no seu cotidiano. Além de saborear as coisas e viver com intensidade, o homem rural teve o cuidado com as tarefas simples e rotineiras; soube sempre partilhar com o outro. Pe. Nelson destacou ainda algumas lições que o homem do campo nos ensinou:  aprender a amar e respeitar a natureza; ter orgulho de nossa terra natal; honrar as nossas origens e raízes; valorizar as pessoas da roça, com seu jeito todo peculiar e sua cultura popular.

Na sequência da Santa Missa, o Credo foi enaltecido com a música “Reino Encantado”. Iniciou-se a oração comunitária e todos os fiéis pediram fervorosamente ao Senhor pelo seu amor sobre nós. O celebrante leu as intenções direcionadas aos dizimistas da igreja, pediu por melhores condições de trabalho aos produtores rurais através de investimentos políticos e pela valorização do homem do campo.

No instante das oferendas, ao som da sanfona e da viola no “Rancho Fundo”, entrou a procissão com a presença das amigas da São José que levaram alguns alimentos, objetos, utensílios de cozinha, assim como, as saborosas comidas típicas do nosso interior.  Os integrantes da JUMIRE trouxeram o cálice, a âmbula e a patena, que foram recebidos pelo pároco no presbitério.

ORAÇÃO EUCARÍSTICA

Posteriormente, iniciou-se a oração eucarística no. 2, cujos refrões cantados foram animados por Johny Marcos e Maurinho. O cântico em louvor ao Santo foi apresentado pela dupla com “Saudades de Matão”, avivado com aplausos por toda a assembleia.

Logo após, rezou-se de mãos dadas com os fiéis, a oração do Pai-Nosso. O presidente da celebração, destacou a importância desse gesto fraterno, que simboliza a nossa fé, comunhão e união em Cristo. A missa seguiu com o Cordeiro de Deus cantado através de “Brasil Caboclo”. A comunhão destacada em “Cheiro de Relva” e “Chico Mineiro”, foi distribuída em duas espécies pelo padre e ministros, auxiliados pela equipe da Acolhida.

No final, Pe. Nelson fez a oração Pós-Comunhão. Antes dos seus avisos, o pároco fez uma linda homenagem a Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Os fiéis receberam calorosamente a entrada da imagem na igreja, trazida pelo casal de noivos da quadrilha. Foi emocionante esse momento de louvor a Mãe de Jesus, cantado por toda a assembleia com a música “Romaria”. Após uma oração especial do pároco à Nossa Senhora, cada fiel teve seu momento de prece à Virgem Maria. Rezou-se uma Ave-Maria em intenção dos falecidos e dizimistas da igreja. Logo depois, os noivos colocaram a imagem em um local reservado no presbitério, ornamentado especialmente com o ambiente rural. Nesse momento, a assembleia prestou sua homenagem cantando a música “Nossa Senhora”, de Roberto Carlos com alegria e aplausos.

Em seguida, Pe. Nelson agradeceu muito a presença dos fiéis, assim como, a colaboração de toda a equipe que lhe assistiu nessa noite de celebração. Ele enfatizou a campanha São José é 10, o sorteio das rifas na missa dominical (11h30), a programação da festa junina; convidou todos os presentes para participar do Dízimo; anunciou a entrega gratuita do Jornal da Família São José; divulgou o site da igreja. Posteriormente, o pároco também agradeceu a presença da dupla Johny Marcos e Maurinho, que falou sobre sua experiência evangelizadora através da música sertaneja, levando a Palavra de Deus em todos os lugares. A assembleia os aplaudira entusiasticamente. Logo após, o padre deu a bênção final e convidou todos os fiéis a participar da festa de confraternização nos jardins da Igreja. A dupla sertaneja entoou, ainda, o “Calix Bento” nos ritos finais da missa com a participação dos fiéis.

Havia muita gente nos arredores das barraquinhas, que vieram prestigiar a festa julina e se confraternizar. Além das deliciosas comidas típicas como: canjica, quentão, feijão tropeiro, bolos, doces, salgados, bebidas, caldos, milho verde, e muito mais, preparadas com carinho pelas amigas da São José, os fiéis puderam também apreciar o talento musical do maestro, Silvano Havanz, que lançará em breve seu 8º. CD com canções populares brasileiras.

Enfim, se aproximou um momento tão esperado por todos: a apresentação de nossas tradicionais quadrilhas. Essa noite festiva contou com a participação especial de Antônio, o marcador da quadrilha e oito casais da JUMIRE, que dançaram alegremente, com coreografias típicas juninas, vestidos em trajes caipiras que enalteciam o brilho e as cores da natureza. Os fiéis ficaram alegres, entretidos e aplaudiram a bela apresentação da Quadrilha da Juventude da São José. Com o refrão: “Se tem canjica, vai ter quentão, na São José o forró é bão!”, nos despedimos felizes dessa missa sertaneja com o gostinho de quero mais! Viva São José e todos os santos juninos!

Horário das Missas
  • SEG
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • TER
    • 7:00
  • QUA
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • QUI
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SEX
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SAB
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
  • DOM
    • 7:00
    • 8:30 *
    • 10:00 ***
    • 11:30
    • 16:00
    • 17:30
    • 19:00 **

* Missas de Catequese

** Missa de Jovem

*** Missa da Família

Veja a programação completa