MISSA PELOS FIÉIS DEFUNTOS

 

 

Realizada na Igreja Paroquial São José no Dia de Finados, às 18h do dia 2 de novembro de 2019, celebrada pelo Pe. José Cláudio, CRsR.

A animadora faz as comunicações iniciais, lendo o nome dos aniversariantes do dia e das almas por cujas intenções fora celebrada a Santa Missa.

Em seguida, anuncia a entrada do celebrante, Pe. José Cláudio. Não houve a tradicional procissão de entrada, segundo a tradição, por tratar-se de uma celebração especial pelos fiéis defuntos.

Iniciada a Santa Missa, o celebrante lembra aos participantes da liturgia que a celebração de finados não deveria ser motivação para tristeza ou pesar. Afinal, comentou, quem morre renasce para Cristo, para a vida eterna. É conseqüencial que todos nós lamentemos aqueles que nos deixaram. É o processo da vida: nascer, viver e morrer. Não existe perda precoce, comenta. Todos nascemos para viver. Não é Deus quem antecipa o desate final.O que nos matam são as doenças provocadas pela vida abusiva que a humanidade adota; pelos crimes que a desumanidade provoca; pela ganância dos que acumulam muito além das suas necessidades, privando os irmãos carente dos bens que lhes sustentem a vida.

A liturgia do dia enaltece que “No Senhor está a vida para sempre”.

Conta o sacerdote, na homilia, que conheceu de perto duas faces da morte. No interior de Minas. Viu apenas corpo inerte sobre o caixão e a dor e o lamento dos que reverenciavam o morto.

Desde o Cântico Inicial, passando pela Antífona de Entrada e Saudação, a ressurreição é o ponto central da liturgia, como “Um dia, a hora vai chegar e, desde já, se pode ouvir a voz deste Filho de Deus a chamar; todos os mortos irão ressurgir” (Cântico Inicial); “E como todos morrem em Adão, todos em Cristo terão a vida” (Antífona)

Na Liturgia da Palavra (Primeiro Leitura), leu-se (e ainda se lê): “O Senhor Deus eliminará para sempre a morte e enxugará as lágrimas de todas as faces e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra”.

No Responsório (conjunto de versículos ou palavras da Sagrada Escritura que se rezam ou cantam, após a leitura dos capítulos, na liturgia católica, conf. Dicionário Michaelis), canta-se:  “O Senhor é minha luz e salvação”.

Na Segunda Leitura’ (Carta de São João) este chama a atenção: “Vede que grande presente de amor o Pai nos deu de sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos!” Não há nada de maior do que sermos filhos de Deus. Se Deus é tudo, tudo somos. Como filhos de Deus, não devemos temer a morte. Devemos viver com alegria, aproveitando todas as coisas boas proporcionadas pelo Criador, em comunhão plena com os irmãos.

No Evangelho (Jo 6,37-40), é Jesus quem disse a todos:  “Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia”.

O que mais se pode desejar senão que se cumpra a vontade de Deus?

Finalmente, na Antífona da Comunhão a liturgia do dia destaca: “Eu sou a ressurreição e a vida, diz o Senhor. Aquele que crê em mim, ainda que tenha morrido, viverá, e todo aquele que vive e crcê em mim não morrerá para sempre”.

Nada mais gratificante do que as palavras do Senhor. Quem nele crer não morrerá para sempre, mas, como Ele, ressuscitará, para a vida eterna.

Que esse alento inspire nossa vida e nos faça seguir Jesus Cristo, porque Ele mesmo quem diz: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6).

Dia de Finados é dia de lembrança, de saudade dos entes queridos que nos deixaram.  Mas não deve ser dia de tristeza, porque quem aqui não mais está é porque já cumpriu sua missão terrena e está sendo acolhido nos braços do PAI.

Antes de encerrar as solenidades da missa, o Sacerdote convida a todos que estão prestes a fazer o concurso do ENEM a comparecerem ao altar, a quem daria uma bênção especial. Cerca de dez jovens se apresentarem (nove mulheres e um só homem). Ao rapaz indagou, em tom afetuoso: “Você não gostaria de ser padre?” a que ele respondeu: “Vou pensar” (risos). Convocando a todos os presentes na assembléia de Deus, levantando o braço em gesto de proteção, abençoou os jovens, desejando-lhes êxito no ENEM.

Abençoou igualmente a todos os presentes, com o sinal da Cruz, encerrando as solenidades.

Duas conclusões pessoais do autor: A predominância feminina nos eventos religiosos e, quiçá, em todas as atividades humanas e a confirmação das palavras do Evangelho: “A messe é grande mas poucos são os operários” (Lc 10,1-9).

Evaldo José de Oliveira

Horário das Missas
  • SEG
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • TER
    • 7:00
  • QUA
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • QUI
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SEX
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
    • 19:00
  • SAB
    • 7:00
    • 8:00
    • 18:00
  • DOM
    • 7:00
    • 8:30 *
    • 10:00 ***
    • 11:30
    • 16:00
    • 17:30
    • 19:00 **

* Missas de Catequese

** Missa de Jovem

*** Missa da Família

Veja a programação completa